Cursos de Reiki no Porto, Maio a Agosto de 2021




Cursos de Reiki no Porto, Maio a Agosto de 2021


Mais de 20 anos de experiência com o Reiki e a ensinar  há mais de 12 Anos!

Acompanhamento Pós Cursos: Gratuito e Vitalício!

Próximos Cursos Presenciais 2021


Maio

Curso de Reiki – Shoden: 1º nível dia 08 de Maio: Preço: 100 euros

Curso de Reiki – Okuden: 2º Nível dia 22 de Maio: Preço: 150 euros

Curso de Reiki – Shinpiden: 3º Nível –  professor e mestre  dia 23 de Maio: Preço: 200 euros

Curso de Reiki – Shoden: 1º nível dia 30 de Maio: Preço: 100 euros


Junho

Curso de Reiki – Shoden: 1º nível dia 01 de Junho: Preço: 100 euros

Curso de Reiki – Okuden: 2º Nível dia 26 de Junho: Preço: 150 euros

Curso de Reiki – Shinpiden: 3º Nível –  professor e mestre  dia 27 de Junho: Preço: 200 euros


Julho

Curso de Reiki – Shoden: 1º nível dia 10 de Julho: Preço: 100 euros

Curso de Reiki – Okuden: 2º Nível dia 11 de Julho: Preço: 150 euros

Curso de Reiki – Shinpiden: 3º Nível –  professor e mestre dia 24 de Julho: Preço: 200 euros


Agosto 

Curso de Reiki – Shoden: 1º nível dia 07 de Agosto: Preço: 100 euros

Curso de Reiki – Okuden: 2º Nível dia 08 de Agosto: Preço: 150 euros

Curso de Reiki – Shinpiden: 3º Nível –  professor e mestre  dia 28 de Agosto: Preço: 200 euros

Curso de Reiki – Shoden: 1º nível dia 29 de Agosto: Preço: 100 euros


Realizamos também Cursos de Reiki de segunda a sexta-feira, por agendamento.
Pretendendo uma data específica para o curso só terá de nos contactar!

Para mais informações:

reiki.em.portugal@gmail.com

ou através do 91 767 12 46

Formadores Certificados pelo Iefp

(Nos nossos cursos temos sempre grupos pequenos) - Os cursos têm a duração de um dia. Das 09:30 ás 18:30



© REIKI PORTUGAL 2021 | Todos os direitos reservados.

A mente e a cocriação



Muito embora a simplicidade da argumentação sobre a faceta humana, tão complexa como o processo criativo e a definição de mente, ouso contudo partilhar uma face da minha experiência de vida na procura, a partir do interior, de ser quem realmente sou e ser um humano melhor, mais feliz e pleno, contribuindo de forma global para o bem comum. Na realidade o quanto é possível contribuir para trazer mais paz ao mundo, e a começar sempre por nós. Também acredito que aquela complexidade seja fruto de uma omissão ao longo de geração em geração sobre a  verdadeira natureza humana divina e como a podemos manifestar no aqui e agora na realidade física.
São muitos os que ao longo da nossa história viveram de acordo com a sua divindade, manifestando-se  assim com os atributos da mestria. Na simplicidade e humildade souberam manifestar a divindade característica do ser humano. São os que descobriram ao longo da vida quem realmente são, como Buda, e outros houve que desde sempre viveram sabendo serem divinos, como Jesus.
O maior de todos os atributos para a mestria requer intenção pura, compromisso diário e equilíbrio ao nível dos pensamentos e emoções - atributos que caracterizam todos aqueles que são espiritualmente evoluídos. Quanto mais nos comprometemos  com este propósito rapidamente percebemos que o "nada fazer" e o "simplesmente ser" é o fim da meta que todos um dia vão querer alcançar nesta dimensionalidade,  e só podes ser na ausência daquilo que não és, como tão bem nos explica Neale Donal Walsch em "Conversas com Deus", livro 1.
Praticar a mestria no dia a dia é simples e divertido pois nada implica além de querer estar num estado puro de consciência. E isto é mestria. O nada fazer implica dizer "SIM" a este estado de ser consciente.
Quando adentramos neste processo tudo se revela, como os dons criativos, propósito(s) de vida, compreensão "lógica" do divino, saber permanecer na quietude aquando da tempestade, perceber que o tempo e a mente têm a mesma natureza e não se cuadunam com a realidade espiritual.
Qual o interesse de tudo isto? Sermos livres e vivermos plenamente num estado mais puro de alegria e paz, num estado mais desperto e criador de toda a realidade que queiramos manifestar.
Para tanto basta praticar a mestria... o "nada" ter que fazer e limitarmo-nos ao estado de ser. Assim se subsume a meditação - ser e estar no aqui a agora sem esforço. Quando assim é estamos conscientes e, por conseguinte, manifestadores da mestria ( ser criadores).
Antes, uma questão prévia e essencial: mudar o foco do pensamento diário. Estar alerta dos pensamentos que tanto nos consomem sobre todo o tipo de situação e preocupações quotidianas como medos, carência, ansiedades, dores. Cada vez que ocupam a nossa mente temos que os afastar dizendo a nós próprios: Esta não é a minha realidade, apenas uma imagem projetada dos meus medos; eu agora escolho libertar-me de tudo que me limita e prende ao sistema de crenças desajustado à minha realidade. Eu sou co criador(a) e escolho agora ter pensamentos de luz, amor, abundância, prosperidade e paz.
Quanto mais atentos aos pensamentos mais poder temos para os mudar e  perceber que somos nós no comando (porque queremos estar no comando e não no banco detrás a assistir ao estado de todas as coisas que nos perturbam!), somos nós que temos o poder de controlar o que se passa na nossa mente. A fase seguinte é dizer, convictos, aquele grande SIM à liberdade, à paz e à alegria todos os dias da nossa vida. Aqui reside, mais uma vez, a mestria.
Acredita que é assim...simples. A mestria alcança-se somente na simplicidade, no ser e no "nada" fazer, além de estar atento, observador ao estado da mente dia após dia. Ou seja, mestria significa também prática, prática, prática. Surgirá então o momento em que a mente vai deixar que sejas tu a controlar em pleno; tu numa relação com a mente de pura confiança, integridade e coerência divina. Podes também afirmar ao te sentires perturbado(a): Quando deixo de me concentrar na minha mente, quando a aquieto, os meus pensamentos são mais criativos e mais construtivos, porque eu Sou o que Eu Sou, eu Sou Luz, Eu Sou amor, Eu Sou Poder, eu Sou Criatividade e deixo que a mente co criadora de Deus flua abundantemente através de mim.
Perscruta a tua mente e controlas a tua vida!








Uma nova consciência está a emergir



Mais um início de ano que se abre para novas resoluções criativas, prósperas e felizes e, por isso, com oportunidades nunca antes imaginadas.... É este o sentimento que não raras vezes todos temos a cada final de ano. Entretanto, quase sem darmos conta dezembro afoito marca passo a mais uma balanço que se impõe, nem que seja para reafirmarmos veementemente: O próximo ano é que vai ser! E mais um ano passou...com poucas resoluções e nem sequer o cheiro a aromas criativos. O que me parece é que este dilema - “agora é que vais ser!”- é passado obsoleto, pelo menos para as gerações mais novas. Ou seja, já não se duvida que agora simplesmente “Assim É”. Com pura intenção Assim É.

A nova era finalmente manifesta-se e surpreende mesmo os mais distraídos. Marcada por uma consciência mais lúcida e amorosa tem feito a diferença sobretudo nas escolhas sobre a forma de viver em interação com a natureza, no seio do coletivo e com o Seu Eu Interior.


Ninguém vive alheado do que se passa à volta - apenas aparentemente e porque é uma escolha, ainda que seja inconsciente- pelo que certamente se apercebem que uma nova consciência despertou, uma nova luz brilha no céu e na terra, não sendo uma moda como todas as que já passaram para que esta também tenha os dias contados. Nada disso. Assim acredito. Diariamente nas formações de Reiki e Karuna tenho tido o privilégio de conhecer e partilhar o meu conhecimento e experiência com jovens de todas as idades.... dos 19 aos 67 anos! O Universo sabe o que faz ao proporcionar me tão rica e diversificada vivencia através de todos os alunos e pacientes que conheci até hoje. 


A minha imensa gratidão ao universo e a cada uma destas pessoas maravilhosas que fazem parte da minha jornada. Todos os dias acrescento alguém ao meu coração. Qual a diferença nas idades entre os 19 aos 67 anos? Uma; apenas uma. A partir dos 43 anos questionam-se: - O que andei a fazer todo este tempo? A adiar a minha felicidade. Tenho alegrias mas adoeci sem perceber porquê, chorei, lamentei, lutei, perdi e sofri..... e agora percebo para quê! Nunca é tarde, pois todos temos uma bússola interna e no momento certo ela direciona-nos para o caminho do auto conhecimento, para a verdadeira e única estrada rumo à manifestação do divino que habita em nós e conquistarmos a liberdade.


Quanto aos mais jovens que despertam para a verdadeira realidade, aquela que lhes permite perceber e dualidade? Intuitivamente sabem o significado de uma vida com propósito  e sabem que é Divino. Ficam deslumbrados e entusiasmados com o quando vão fazer e usufruir a partir do momento em que a magia desabrochou. É efetivamente fazem. Os mais jovens têm também mais presente a importância da mãe terra, este belo planeta, como a mãe que sustenta e suporta a nossa existência e a vital importância do cuidar dos recursos essenciais; não consumir na alimentação géneros animais, por causa da importância que estes desempenham num planeta sustentável; meditar em comunhão com a natureza; não ao consumo massificado e generalizado; alimentação mais natural e simples na confecção; momentos de jejum para desintoxicar o organismo e elevar o corpo vibracional; a facilidade de verem, intuirem e sentirem o mundo espiritual; os cristais como veículo de manifestação de energias superiores; enfim, a forma descomplicada com que vivem o mundo de hoje. Estes jovens continuam a ser a minha maior inspiração.... a seguir aos meus filhos, claro! A todos os outros a minha enorme admiração pela coragem na tomada de decisões que os obrigam a romper com velhos padrões de pensamento e pela confiança que depositam diariamente em mim. 

Somos todos assim como aqueles jovens? Ainda não. É um defeito? Claro que não. É apenas uma oportunidade que ainda não chegou a outros tantos mas que um dia virá, sem excepção, da mesma forma que cada final/início de ano chega para celebrarmos. E no próximo, ou melhor, na próxima vida, as resoluções serão cumpridas e melhor vivenciadas, cada vez mais na luz e no amor infinito. Assim é para todos nós.

KI - ENERGIA VITAL INDIVIDUAL


O corpo de um ser vivo irradia calor e energia, sendo essa energia a Energia de Vida ou Energia Vital. Esta energia tem quase tantas designações quantas as culturas existentes; por exemplo, os Russos chamam-lhe Energia Bioplasmática, os Hunas da Polinésia chamam-lhe Mana, os Índios Iroqueses Americanos chamam-lhe Orenda, na Índia chama-lhe Prana, nos Países Islâmicos designam-na por Baraka e por Chi na China.

No Japão, a esta Energia Vital dá-se o nome de Ki e é essa palavra que em conjunto com a palavra Rei, que designa a Energia Vital Universal, forma o nome Reiki. Podemos assim, tentar definir duma forma simples, o Reiki como:

Um sistema que permite a qualquer ser vivo despertar dentro de si e ligar-se à Energia Vital Universal (Rei) para com ela harmonizar a sua própria Energia Vital (Ki) assim como a de qualquer outro ser vivo.